Papel enegrecida

Editorial

     Foi me outorgada a honra de poder publicar a décima segunda edição da revista SCIENCOMM, em plena onda ESG – Governança ambiental, social, e econômica para organizações pelo mundo. Neste contexto, a Engenharia é a “longa manus”, que constrói a sustentabilidade necessária, faz caminhar a rotina, favorece os saltos de inovação que a sociedade busca, no afã de conseguir sobreviver à uma crise energética que bate às portas: a população dos países industrializados hoje, representa 20% da população mundial e consome 70% da energia do planeta. E países menos desenvolvidos, buscam a industrialização como forma de melhorar o padrão de vida de sua população, o que demanda cada vez maior consumo. E o desafio posto é a geração de energia limpa, conservá-la, reduzindo desperdícios, otimizando seus usos nos processos dentro das fábricas, e nos seus “out puts”, principalmente nos equipamentos, que serão usados por milhões de consumidores.

 

    Nosso olhar na Academia se volta, então para artigos e trabalhos de conclusão de cursos, que contemplam este tema, sem deixar escapar brilhantes performances de pensamento e pesquisas que, no futuro, darão as bases para que sejam executadas peças e equipamentos acima mencionados, como por exemplo baterias menores, mais leves e de maior capacidade; guarda corpos construídos com resistência assegurada por materiais especificados para esse fim; haja vista, as pesquisas de nossas universidades, serem responsáveis no critério 80/20, por 80% das inovações utilizadas por nossa indústria de transformação.

 

    Desde a década de 70, com o relatório de Brundtland, a sustentabilidade é a bandeira içada para proteger “Nosso Futuro Comum” na Terra, ao propor uma agenda que promove a produção sem destruir o meio ambiente, de modo a preservá-lo para as futuras gerações... Agora em 2022, os investidores em Davos, estão procurando onde investir, e a energia renovável é o foco, pois a guerra na Ucrânia está acelerando os esforços da Europa, para se livrar do petróleo e gás russo. No Brasil, apesar de já termos uma matriz limpa, nossas vantagens comparativas, em termos de sol e ventos, estão se transformando em vantagens competitivas, ao instalarmos em massa, estruturas que geram energias fotovoltaica e eólica, o que tem favorecido nossa presença nos radares desses investidores, que se valem de indicadores ESG.

 

    Agradecido, e desejando uma excelente leitura a todos, me valho destas palavras iniciais, para abrir as portas desta edição... Até a vista!

 

    Prof.Dr. José Carlos Nunes Barreto 

        Editor Executivo

Capa jpeg.jpg

EDIÇÕES

 
 
 

CONSELHO EDITORIAL

  • Dr. José Carlos Nunes Barreto - IFET/SP

  • Dra. Hanny Angeles Gomide - UNIESSA

  • Dr. José Augusto Della Coleta - UFU

  • Dr. Leandro Aureliano Silva - FACTHUS

  • IN MEMORIAN Dr. Wisley Falco Sales - FEMEC/UFU

  • Dr. Álisson Rocha Machado - PUC/PR

  • Dr. Alexsandro Silva Sólon - UFTM

  • Dr. Euclides Antônio de Lima - UNIUBE

  • Dra. Janainna G. Pacheco Olegário - FACTHUS

  • Dra. Luciana Cezarino - FAGEN/UFU

  • Dr. Leonardo Rosa Ribeiro da Silva - FEMEC/UFU

CONTATO

Dr. José Carlos Nunes Barreto

josecarlosnunesbarreto@gmail.com